sexta-feira, 11 de julho de 2008

Repostagem da readaptação


"Minha terra tem favelas,
Onde os tiros não param de zunir;
Os fuzis que aqui fuzilam,
Não fuzilam como ali.
Nossos morros têm mais casas,
Nosso IML mais indigentes,
Nossa Febem mais meninos,
Nosso dia-a-dia mais mortes.

Em cismas, sozinhos, à noite,
Não podemos passear;
Minha terra tem mais armas,
Que podem me matar.

Minha terra tem horrores,
Que tais não encontro eu lá;
Em cismar- sozinho, à noite
Não posso passear
Minha terra tem armas;
Que podem me matar.

Não permita Deus que eu morra
Sem que eu vá viajar;
Sem que eu conheça os sons
Que as metralhadoras não sabem cantar,
Que eu tenha o óbito
Longe do temido fuzilar."


Uma "homenagem" ao Rio de Janeiro, pela paz que não existe e que todos querem ter, pelas inúmeras passeatas com pessoas vestidas de branco gritando "justiça!", pelos PM's que estão todos os dias estampados nas manchetes de jornais, seja por fuzilar um carro e matar uma criança de 3 anos, seja por um sargento estuprar sua filha de 3 anos ou pelo simples fato deles existirem, como monstros que são... Uma taça de sangue seja erguida em homenagem a eles. Bichos fardados!

3 comentários:

DIARIOS IONAH disse...

eh bem triste,
mas eu nao sei o que
dizer!

yasmin disse...

I Hate RJ!

* Ni * disse...

Infelizmente essas coisas só deixarão de acontecer qdo o AMOR brotar no coração dessas pessoas.
É muito triste e lamentável...